domingo, 23 de julho de 2017

Urubici (SC) - Cidade do aconchego

23 de julho de 2017

💜 Boa noite galera 💜

Fazenda Morro da Cruz

Em junho eu fui pra Urubici aproveitar o feriado. Gente aquela cidade é muito aconchegante. O foco da cidade é contato com a natureza. Relaxar. A hora passava mega devagar e dava pra super aproveitar o dia. Então hoje eu vou falar um pouco de como foi lá,  e das dicas de passeios.

Dia 1 - Chegada na casa e Fazenda Morro da Cruz


De Blumenau até Urubici da umas 6 horas de viagem, chegamos na cidade por volta das 12 horas. Ficamos hospedados o feriado em uma casa de sítio. Pra chegar até a casa, tivemos que pegar 12km de estrada de chão depois de já ter chegado na cidade. É mega longe, mas vale muito a pena.

Fazenda morro da Cruz 
A casa é bem aconchegante. Madeira, fogão a lenha, um gramadão pra ficar deitada vendo as estrelas.. Em fim, um lugar que dava pra chamar de lar mesmo não sendo seu. Como chegamos já passava do meio dia, almoçamos e depois fomos passear no Morro da Cruz.
Esse morro fica em uma fazenda relativamente perto de onde estávamos hospedados. Você paga R$ 5,00 pra subir. Se o carro tiver tração ele pode subir a maior parte do morro. Caso contrário,  só caminhando mesmo. De qualquer forma, vai ter um pedaço que é só caminhada mesmo. Mas é lindo de mais gente. A minha sugestão é de levar água.  Por que mesmo sendo frio, o ar é meio seco e da uma canseira danada.

Dia 2 - cachoeira Véu de noiva e Serra do Corvo Branco

Restaurante Véu de Noiva

Na sexta feira o dia amanheceu mais fechado. Por isso decidimos ir até a cachoeira Véu de Noiva, já que ir para os morros não teria muito sentido, afinal, não daria de ver nada. Mas antes disso, tomamos aquele delicioso café da manhã. Lembrando que comida era no fogão a lenha. Muito bom!

Cachoeira Véu de Noiva
Como a preguiça era grande, demoramos um pouco pra sair do cafofo, já era perto do almoço quando decidimos finalmente sair. Chegando na Cachoeira Véu de Noiva, você tem que pagar R$ 5,00 pra entrar. Lá na cachoeira tem um restaurante bem bacana. E pra quem é vegetariano, o almoço fica pela metade! O lugar também tem um monte de lembrancinhas da cidade, cachecol, toucas, luvas, e mais um monte de cacareco de Urubici. A maior parte é item artesanal, por conta disso eu não vejo como algo caro. Como também faço artesanato, eu entendo que da muito trabalho, e as vezes a matéria prima não é nada em conta.

Só vou dar uma dica pra vocês na hora de pagar a conta. Eles aceitam cartão, mas na hora que fui passar no credito o cara do caixa disse "só debito". Entao, eu com a mão cheia de imãs de geladeira disse "então não vou levar nada" e devolvi tudo pra ele. Gente, sem mentira, questão de segundos ele pediu a senha e passou no credito. Dependendo do plano que os comércios fazem, debito já entra na conta no dia seguinte, já no credito as vezes leva dias ou semanas. Então eles acabam fazendo essa jogada em cima do cliente pra receber o dinheiro mais rápido. Tirando esse detalhe, o estabelecimento é muito bom. Experimente a lasanha de pinhão, é uma delícia. 

Serra do Corvo Branco onde tem os paredões
Saindo do restaurante, você vai passar pela catraca e descer até a cachoeira. Ela é linda gente. Claro, não espere algo como as cataratas de Iguaçu né, mas a Véu de Noiva de Urubici tem sim a sua beleza. Tem alguns banquinhos perto dela caso você queira sentar e relaxar admirando a beleza dela. E claro, tem aquela disputa com os outros turistas pra bater foto. Mas vale a pena a espera. 

De tarde o tempo ficou um pouco melhor, o sol apareceu meio tímido e então deu pra gente ir até a Serra do Corvo Branco. Admito que esse foi o lugar que mais gostei de ir. Sou apaixonada por serras com paisagens exóticas, e na minha opinião essa serra foi de tirar o folego. Pra quem conhece a serra do Rio do Rastro, entenda que essa é totalmente diferente. Logo quando você chega no topo, ela tem dois paredões que fazem um tipo de fenda para os carros passarem. E quando você olha, pro "final" da estrada, parece que ela acaba ali, mas não, logo você vira a direita e segue a estrada. E tem horas que a rua fica bem estreita e da a sensação que você vai cair. Muita emoção ahsuahs. Nesse lugar você precisa ir bem agasalhado. Lá venta muito! E se você for no inverno tu vira um picolé e não vai aguentar muito tempo fora do carro.

Uma das vistas da Serra do Corvo Branco
Voltamos pra casa, a mãe fez quentão, comemos pinhão feito na chapa e pinhão cozido, jogamos canastra e mentiroso e demos muitas risadas.

Dia 3 - Improviso

No sábado, os planos eram ir até o Morro da Igreja (Pedra Furada) e cachoeira do Avencal. Estávamos no meio do caminho, mas por motivos familiares acabamos cancelando esses passeios, uma turma teve que voltar pra Blumenau nesse dia. Eu meus pais e meus tios acabamos ficando e fomos caçar pinhão atras do sitio. Foi uma tarde bem tranquila. Não foi o que esperávamos, mas foi muito bom também. Como não fui na Pedra Furada nessa vez, vou mostrar as fotos da última vez que fui em 2015.

Morro da Igreja (Pedra Furada) 2015
Para subir na Pedra Furada você tem que pedir uma autorização no centro da cidade. Por que tem um limite por carro lá em cima. Então antes de você subir, pegue essa autorização. Como já faz 2 anos que fui la e não fui dessa vez não sei bem ao certo como funciona, mas você consegue mais informações nesse link aqui.

Dia 4 - A volta. 

Foi isso gente. No domingo de manhã fizemos as malas e voltamos pra Blumenau. Paramos pra almoçar num restaurante de comida caseira (não lembro o nome) e depois seguimos a estrada.

Pra quem nunca veio pra serra Catarinense, vale apena. E se vocês tiverem tempo, passem pela serra do Rio do Rastro e voltem pelo litoral. Vocês vão poder aproveitar mais ainda as belezas de Santa Catarina.

E vocês? Queria saber sua opinião.  Já foram pra Urubici? Pra quem não foi, já ouviu falar do lugar?  Deixe seu comentário.
Read More




quinta-feira, 8 de junho de 2017

Viajar de ônibus. Como lidar?


08 de junho de 2017

Boa tarde queridos viajantes.


Hoje venho compartilhar com vocês algumas experiências que tive ao viajar de ônibus e algumas dicas para vocês. Pode parecer besteira pensar que tem qualquer tipo de complicação numa simples viajem de ônibus, porém quando ela dura umas 12 horas qualquer dica é bem vinda.

1- Faça uma play list

É a dica mais balaio/velha que alguém pode dar pra quem vai viajar, mas é justamente essa que muita gente se esquece. Quando vamos viajar, estamos tão preocupados na roupa que vamos levar, no tempo, no roteiro, hospedagem e em tantas outras coisas que nem nos lembramos dos pequenos passatempos. Afinal, se a viagem for longa a coisa pode ficar entediante, principalmente se for de noite e você não tem sono nenhum, não tem paisagem pra ficar admirando, ou não pode ler um um livro ou ver um seriado por que fica enjoado ou não pode acender a luz para não incomodar o companheiro. Então, por favor, faça uma play list.

Muitas pessoas usam o spotify, só que o problema é que se você não tiver internet, ou num lugar onde não tem cobertura de sinal ele não funciona. Tem a opção de se tornar Premium que dai você pode usar off line e também baixar as músicas.

Eu gosto muito de usar o aplicativo Documents. Como meu sistema operacional é o IOS, não da pra baixar musica da forma convencional que nem num Android, então usar o Documents é super bacana, baixo as músicas tudo do YouTube com um conversor de MP3.

2 - Série é vida!

Eu amo seriado. Sou viciada em séries, esse é um dos meus concorrentes quando eu tenho um tempo extra. Livro ou serie? Geralmente a serie ganha, rsrs. E no caso de viajem, é super bacana isso. Eu gosto muito de baixar alguns episódios no Netflix. Não é todo seriado que da pra fazer isso, algo que eu acho bem chato. Mas em fim, a Netflix tem uma aba onde tem todas as opções de filmes que da pra baixar. Se você não fica enjoado assistindo dentro do ônibus, é uma ótima forma de passar o tempo.

3 - Alimentando os portáteis.

E não da pra esquecer o nosso querido carregador portátil. Afinal, você está todo equipado com seus passatempos mas acaba acontecendo a infelicidade de a bateria acabar no meio da viajem. Não é todo ônibus que tem tomada para carregar. A minha viajem pro Rio Grande do Sul, só tinha uma tomada no fim no ônibus, eu não conhecia ninguém, e eu estava sentada bem lá na frente. Por isso não arrisquei em deixar meu celular la trás. Dai na parada deixei carregando la lanchonete. Já outra viagem que fiz há umas duas semanas atras, tinha uma tomada para cada par de acentos. Mas também você corre o azar de sentar em um lugar onde ela não funcione ou o seu companheiro também precisar usar. Na duvida, leve um carregador portátil. Só não esqueça os cabos USB.

4 - Não pode faltar o Dramin

Toda longa viajem tem os seus contra tempos. Enjoos acho que é um dos mais inconvenientes. Nunca deixe o dramin de fora da sua necessaire. Já fiz essa besteira algumas vezes. Que arrependimento! Eu sou uma pessoa que dificilmente fica enjoada em viagem. Mas quando fico muito tempo sem comer ou tem muitas curvas é certo que o enjoo vem. Não chego a ponto de vomitar mas me da aquela leseira. Quando fui pro RS eu peguei um trecho na serra de noite. Foi terrível! As curvas não acabavam nunca é nada parava o enjoo. Como eu queria um dramin naquela hora.

E para outra coisa mega útil que o dramin funciona é para dormir. Sim, só uso o dramin em viagens, e quando voce viaja em excursao que todo mundo fica mais a vontade, e tem aquela pessoa que não cala boca até 2h manhã (e a viagem não está nem na metade), seus olhos já estão ardendo de tanto cansaço mas você não consegue pegar no sono por que a voz de certo alguem não te deixa dormir, é necessário um gatilho. Depois o efeito sonífero do drawing passa, mas o sono natural fica. Pra mim funciona muito bem. Claro que não sou médica, então se você nunca usou leia a bula e consulte o seu médico. 


5 - Use os banheiros das paradas 

Se tem uma coisa que jamais vou esquecer é a experiência de usar o banheiro de um ônibus em movimento. Não faça isso. Era de madrugada, na serra, e eu acordei enjoada e com muita sede. Bebi muita água. Deu alguns minutos e a vontade de fazer pipi veio. Eu não tinha muita escolha por que a vontade era grande. Resumindo. Fiquei roxa de tanto que me bati dentro daquele banheiro, tinha muita curva. Aquela serra era mais enrolada que fio de telefone. E até eu sair do banheiro meu único medo era: "esse ônibus vai cair de alguma  garota e eu estou aqui sentada na privada." Fora que tem cada personagem dormindo de cada jeito que você tem que fazer marabalismo pra não pisar em ninguém. Em fim, quando seu ônibus parar use os banhieros das paradas. A não ser que a vontade seja maior que nem foi no meu caso.


6 - Lanchinho sempre é bom.

Aquele salgadinho, aquela bolachinha, ou aquele sandubão feito em casa. Sempre leve seus snacks. O ônibus costuma oferecer água. É bacana por que ela sempre fica geladinha e você só tem que pegar o seu copinho. Porém, fica meio chato ter que se levantar sempre que você tem sede. Quando viajo eu pareço uma camela, sempre querendo beber água. Então eu prefiro levar uma garrafinha com água, às vezes duas quando a viajem é longa. E quando acaba, dai sim eu pego lá trás. 


7 - Sente-se e relaxe

Lembre-se sempre de levar um travesseiro ou uma almofada de pescoço. Viagem sempre é cansativa.  Quase toda vez que viajei de onibus eu passei calor e frio. Portanto se prepare para os dois. Levar uma daquelas mantas que dá pra usar como cachecol é uma boa, por que é prática na hora de sair do lugar. E as almofadas de pescoço geralmente tem aquele clips que vc pode pendurar ela na sua mala ou bolsa. 

8 - E os livros Pam?

Já ia chegar lá.  Como última dica, no quesito de entretenimento leve um livro. De preferência de papel, folha amarelada e não muito grosso  (a não ser que você esteja lendo uma saga tipo Guerra dos Tronos que não pode dar um stop até terminar tudo). Mas sério gente, em viagem quanto menos peso melhor. Até por que você vai querer curtir o passeio, então os livros vão ser mesmo mais para o trajeto até seu destino final. Então não tem a necessidade de você levar a sua biblioteca pessoal para sua viagem. 

Então é isso gente, essa são minhas dicas. E você?  Tem alguma experiência em suas viagens de onibus ou alguma dica que seria bacana compartilhar conosco? Deixe seu comentário,  vou amar ler.
Read More




quarta-feira, 7 de junho de 2017

A postagem tarda mas não falha

07 de junho de 2017

Boa noite meus queridos leitores.

Faz muito tempo que eu não atualizava mais o blog, e hoje venho aqui escrever a vocês o que tem acontecido nesses últimos meses.

Há quase sete anos quando comecei o Mil Léguas,  eu era uma adolescente desocupada que amava ler. Portanto, meu único trabalho além da escola era ajudar a mae com os afazeres de casa. Sendo assim, eu tinha tempo até dar com os pés.  Então eu passava o dia lendo, resenhando, navegando em outros blogs, fazendo parceria com editoras, gravando vídeos do meu correio... e por aí vai. Minha vida girava quase toda em torno de livros e do meu blog. 

Só que...

...a gente cresce. 

Depois que sai da escola, veio as responsabilidades.  Eu até que continuei um tempo escrevendo e tentando atualizar o blog, mas infelizmente o meu tempo estava sendo cada vez mais consumido por outras coisas que estavam se tornando prioridade na minha vida. E livros e o blog foram ficando pra trás. 

De vez em quando eu pensava: "hoje eu vou terminar de ler aquele livro e vou resenhar." Isso nunca acontecida. Quando eu tinha tempo pra escrever, já tinha se passado muitos dias depois de ter terminado o livro, e daí, as idéias da resenha já tinham ido embora. Fora que, a minha média de leitura caiu muito. Se em um ano da minha adolescência eu tinha lido uns 100 livros, ano passado com 21 anos eu não devo ter lido nem 10. 

Mas gente. Eu ainda continuo amando livros, amando esse mundo de folhas amarelas. Mas infelizmente 24 horas pareceu ser pouco pra mim, principalmente nessa transição de adolescente pra fase adulta, onde você se acha a mulher maravilha e quer fazer de tudo.

E por falar em tempo, acabei avaliando melhor o meu. Hoje, hoje, exatamente hoje eu estive pensando no blog, por isso voltei aqui e estou tirando alguns minutos da minha noite para escrever. 

Como disse, eu ainda amo livros, porém,  como a gente cresce e amadurece,  outras coisas vai crescendo e amadurecendo também.  Uma delas é meu amor por viagens.  

De vez em quando eu visito muitos blogs voltado pra esse tema, e comecei a ter essa vontade de escrever sobre isso também.  Por isso, a partir de hoje, o Mil Léguas não será apenas de livros, mas também de viagens.  Afinal, toda viajem tem uma história, quer ela seja boa ou ruim. E em todo bom livro, você sempre pode dar aquela  viajada sem sair do lugar. 

Quando pensei em escrever sobre um tema novo, até pensei em criar um novo blog. Mas daí eu pensei: "esse aqui já tem um "nome", já tem uma bagagem de 7 anos. Não vou jogar tudo isso pro ar e começar do zero. Acho que posso dar mais uma chance ao Mil Léguas. "

Então é isso gente. Hoje eu desabafei legal. Hehe, vou daqui pra frente voltar cada vez mais a ativa com esse blog. 

Eu amo ler os comentários de vocês,  deixem aqui pra mim no fim do post.

Beijos, até a próxima.  
Read More




domingo, 27 de dezembro de 2015

#110 - Resenha - Sangue na neve (Lisa Gardner)

A policial Tessa Leoni matou seu marido, Brian Darby, em legítima defesa. A arma do crime está à vista de todos e os hematomas no corpo de Tessa confirmam a ocorrência. A policial também não fez questão de fugir, ou de arrumar qualquer justificativa para explicar aquele corpo estendido no chão da cozinha, portanto, aparentemente, o que a investigadora D.D.Warren tem à sua frente é o desfecho de uma briga doméstica. Um caso simples. No entanto, ao abrir o inquérito, D. D. terá uma surpresa: este não é o primeiro homicídio de Tessa Leoni e — afinal — onde está a filhinha de seis anos da policial? Será que a policial Leoni realmente atirou em seu marido para matá-lo? Uma mãe seria capaz de prejudicar intencionalmente sua filha? D. D. Warren, a experiente detetive que acredita que desvendar um caso é como mergulhar na vida do criminoso, enfrentará mais uma investigação que a levará a uma busca frenética por uma criança desaparecida enquanto tenta encaixar as peças de um mistério familiar que a levará a quebrar os muros do corporativismo policial.

Boa noite leitores.

Li já faz algumais tempinho esse livro. Gosto muito das obras da Lisa, e a muito tempo esse livro já estava na minha lista.  Porém,  diferente de "Viva para contar" e "Esconda-se", esse infelizmente não me prendeu que nem os outros. Achei meio previsível,  e óbvio de mais para certas coisas. Não quero dar spoilers aqui, então não vou dar muitos detalhes sobre o que foi tão óbvio.  rsrs 

Acho bacana quando além do caso, os personagens ainda tem a sua vida pessoal na estória.  Mas a autora, na minha opinião,  colocou isso de mais. Ficou meio que 'enchendo linguiça', então essas partes eu pulava, já que o que eu realmente queria ler era o caso policial.

Mas em fim, mesmo com os pontos negativos, eu gostei do livro. Apesar da lenga-lenga exagerada em algumas partes,  estória é bem construída e não fica ponta solta ou aquela sensação de que tem algo faltando. Não é meu livro favorito, longe disso.  Mas dá pra passar o tempo.
Read More




quinta-feira, 26 de novembro de 2015

#109 - Resenha - O príncipe congelado (Raigor L. Ferreira)

Postado em 26/11/15 as 23:03

Boa noite gente linda!!

Essa semana eu recebi um contato do Raigor, escritor do livro "O Príncipe congelado". Fizemos uma parceira e ele me encaminhou um e-book em formato ePub pra mim conhecer e divulgar aqui no blog. Vou passar a resenha pra vocês e em logo em seguida dou o meu comentário sobre a obra.

Nas terras longínquas do Reino de Arvoredo, os habitantes já estavam acostumados com um príncipe fora do tradicional. Phelipe, o herdeiro superestimado do trono tinha uma condição exótica e que fazia os moradores do Reino se perguntarem: “Como alguém pode ser tão gelado?”. A resposta para a pergunta não era simples e esmerada. Na verdade, era muito complexo entender o que tornara a majestade, um homem tão frio e indiferente.

Então gente. O livro é curtinho - bem curtinho. Li tudo em uma noite. Ele basicamente lembra histórias de contos de fadas, daqueles livros infantis de 5 páginas. Ele tem uma estória bacana, eu só achei que ela acabou se tornando muito "resumo". Faltou detalhes, faltou alguma coisa que desse um gostinho de quero mais. Outra coisa que eu achei, lembrou muito Frozen, rsrs. Por que o príncipe está preso dentro do poder dele, que é o gelo. E mais pra frente aparece a princesa, que está presa dentro do poder de fogo. 

Acheu interessante que ele usa palavras antigas e pólidas. Algo que não estou acostumada a ler em romances. Isso é bom, pois nos dá uma pequena aula de português e enriquece o vocabulário. Mas o autor soube usar de bom senso, pois eu não fiquei perdida com a leitura.

Assim gente, não tem muito o que dizer. É legal? É. Mas não seria o tipo de livro que recomendaria. A não ser que seja pra crianças que gostam de uma fantasia ao estilo "Cinderela". Só pra reforçar o que eu já disse. Ele tem uma boa estória, porém poucose detalhes. Parecia eu estava lendo um resumo, e não livro propriamente dito.

Mais uma vez obrigada Raigor por ter me dado a oportunidade de ler o seu livro. Desculpa a demora de postar a resenha. Estou a disposição. Sucesso!
Read More




terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

#27 Meu Correio

Postado em 03/02/2015 as 23:04


Boa noite pessoal!

Pra quem acompanha o blog regulamente, viu que na última edição do Meu Correio, eu recebi uma quantidade enorme de livros. Boa parte eu doei, foram quase todos..Quase. Os que sobrou - que foi bem pouquinho - eu levei num sebo e troquei por alguns que já estavam na minha listinha de vou ler algum dia.. E foram eles:

Os temas policiais, um de eu autor que admiro a muito tempo, que é o Harlan Coben (tenho uma pilha de livros dele) e o James Patterson que começou a me conquistar na série 'Mulheres contra o crime'. Li alguns dele da serie 'Alex Cross' mas não me prendeu, diferente dessa outra serie que mencionei antes. Por isso decidi dar mais uma chance..


Por fim, os livros de romance. 'A Costureira' foi indicação da minha amiga Adriana, ela falou que a estória se baseava no Titanic, então sem sombra de dúvidas o livro entrou pra minha lista. No sebo, para minha 'alegria' me deu um branco em todos os livros que eu queria ter, portanto, eu não me lembrava deste. Do nada eu olho pro lado e vejo ele! Ual! Por sorte. haha.. E por último, 'Retrato do meu coração' de Patricia Cabot - e é nessas horas que eu dou graças a Deus por não ter comprado ele na bienal do livro!


Fiquei muito contente com minhas novas aquisições. Conforme eu for lendo vou postando a resenha de cada um deles. E vocês? O que andam lendo? Algum desses quatro livros vocês já leram, ou outro do mesmo autor? Deixe seu comentário! Terei prazer em ler e responde!

Beijoooos!




Read More




terça-feira, 27 de janeiro de 2015

#108 Resenha - Dewey, Um gato entre livros (Vicki Myron e Bret Witter)

Postado em 27/01/2015 as 19:12

A rotina da pacata cidade de Spencer, Iowa, Estados Unidos, se transforma após Dewey, um gato, ser encontrado na Biblioteca Pública. A diretora da Biblioteca, que achou o gatinho na caixa de devolução, resolve contar a história e lança o livro, Dewey, um gato entre livros. O livro escrito por Vicki Myron, com colaboração de Bret Witter é a história real de um gato que fez da biblioteca - e da cidade de Spencer- sua casa e de seus habitantes, os melhores amigos.

Boa tarde queridos leitores! 

Terminei mais uma fantástica história biográfica. Não sou fã de gatos, acho eles fofos e tenho um carinho por eles como tenho por qualquer outro animal. Prefiro cachorros. Mas Dewey me conquistou. Alguém aqui já leu algum livro sobre o gato Bob? Digamos que Dewey tem seus talentos e conquistou o coração de muito gente assim como Bob. A diferença entre os dois é que o público de Bob é ao ar livre, nas ruas, ele é um artista. Já Dewey, foi um gato de biblioteca. 

Vick e Dewey
A história intercala entre as travessuras de Dewey e a vida pessoa de Vicki - autora do livro. Ela conta os desafios que ela e sua família enfrentaram, os altos e baixos da cidade de Spencer e de como Dewey fez ressurgir o brilho na vida de muitos.

Acho que o que torna certos animais famosos é seu trágico passado, ou como ele foi pavorosamente encontrado. Claro, existe aqueles que nunca tiveram um passado triste. Mas Dewey não teve tanta sorte nos seus primeiros dias de vida - ou talvez teve...

Ele foi encontrado numa manha de brutal inverno na caixa coletora de livros da biblioteca publica de Spencer, Iowa. A caixa coletora tem seu fundo de metal, e a portinha dela ficou aberta por causa de um livro preso. A autora, Vicki Myron, disse que a caixa poderia servir de frigorifico de tão gelada que estava. 

Mas Dewey foi um sobrevivente. Ele foi muito bem cuidado e amado pelo pessoal da biblioteca, e com o tempo foi cativando a população da pequena cidade de Spencer. Depois o estado de Iowa e consequentemente os Estados Unidos e o mundo. Sim! Dewey ficou mundialmente conhecido nos anos 90. Chegou até aparecer em um documentário japonês sobre gatos. 

Dewey e suas peripécias..
Infelizmente, Dewey não vive mais. Ele morreu aos 19 anos em 2006. Se eu tivesse a oportunidade de conhece-lo eu iria aproveitar. Me simpatizei por Dewey e suas façanhas. E o que me deixa mais apaixonada, é o ambiente onde ele vivia. Quando eu leio livros sobre animais, e que eles acabam morrendo no final (na maioria das vezes por doenças) faz eu dar mais valor as minhas pequeninas que já estão com quase 11 anos. Nossos bichinhos são os amigos mais leias que podemos ter, eles sempre vão nos amar incondicionalmente. E Dewey mostrou isso as pessoas de Spencer e pro resto do mundo.

Abaixo encontrei alguns vídeos sobre Dewey. O primeiro é do documentário japonês, onde mostra só o trecho do Dewey. O segundo vídeo é de dois gatos, o gato laranja é o nosso amado 'Dew'. Eles estão em inglês e sem legenda, eu não entendo nada, mas amei apreciar as peripécias desse gato lindo!



Espero que tenham gostado pessoal! E posso, sem duvida alguma, indicar esse livros a vocês. E espero que vocês se apaixonem pelo Dewey tanto quanto eu. Vick Myron, se vocês ler essa resenha, por favor, deixe um comentário! Hahaha

Beijooooooos!


Read More




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Return to top of page
Powered By Blogger | Design by Genesis Awesome | Blogger Template by Lord HTML